• ACOPAMEC

Formação de colaboradores faz menção ao 18 de Maio

A formação mensal dos colaboradores da ACOPAMEC no mês de maio dialogou com o 18 maio, atendendo ao tema: Combate ao Abuso e a Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes!


Contribuindo com o evento contamos com a presença de dois palestrantes: Roberto Sousa, Educador, especialista em Educação e Desigualdades (UFBA), Mestre em Educação de Jovens e Adultos (UNEB), consultor para o tema da Educação e Proteção ao Desenvolvimento Integral de Crianças, Adolescentes e Juventudes. E somando a ele Denise Azevedo, psicóloga, especialista em Família e Comunidades Contemporâneas e assessora do "Projeto IÇA: Ação e Proteção" da entidade Cáritas Brasileira Regional Nordeste 3.



ACOPAMEC - Formação de colaboradores faz menção ao 18 de Maio


Para Roberto, participar de uma formação com uma temática tão importante, que é pauta permanente da ACOPAMEC e junto aos colaboradores em sua totalidade reflete o compromisso que a instituição tem não apenas com a sociedade, mas com os colaboradores que precisam levar a integralidade e missão da entidade de transformar pessoas. Roberto reforça o compromisso da ACOPAMEC ao provérbio africano que diz que para cuidar de uma criança é preciso uma aldeia inteira, portanto é preciso ser compartilhado por todos nós.


"A atitude de envolver todos aqui nesse encontro, resguardando todos os cuidados como vocês se preocuparam recupera o sentido da integralidade à educação com as crianças, ao cuidado com os adolescentes, tornando-se uma missão pessoal, profissional e humana de todas as pessoas que ocupam este espaço e que deve ser compartilhado por todos nós nessa experiência terrena. Estou muito feliz por fazer parte desse momento", disse!




ACOPAMEC - Formação de colaboradores faz menção ao 18 de Maio
“É preciso disseminar a cultura do cuidado e desconstruir que a “violência sexual” como um episódio” , afirma o palestrante Roberto Sousa.







Roberto seguiu afirmando que é preciso disseminar a cultura do cuidado e por isso diz que em enfrentamento as violências sexuais é preciso desconstruir que a “violência sexual” é uma coisa episódica. Para ele a violência é um emaranhado de acontecimentos nas quais pessoas violentam crianças e cabe a cada um de nós entender que enquanto uma noticia sobre uma determinada violência, que chega a mídia ela será apenas um fato, enquanto vários outros acontecem em questões de minutos em muitos lugares. “ Essas noticias nos ajudam a ilustrar, a nos dá um panorama, entretanto, nos ajudam a compreender que a violência é um fenômeno que tem construção históricas pautadas em aspectos diversos como: cultura, religiosidade, discursos morais que naturalizam comportamentos que a sociedade acolheu sobre a ética do machismo, do racismo, do classicismo, etc”, relatou Roberto.


Já Denise contribuiu em sua fala apresentando ações realizadas pela Caritas NE3, uma organização católica e que assim como a ACOPAMEC dialoga a favor da vida dos excluídos e marginalizados. Por isso, Denise revelou sobre sua alegria em participar conosco da formação que considera de extrema importância pautar diariamente a temática. O trabalho em parceria das entidades, com especial foco no combate a violência sexual infantil acontece através do Projeto IÇA, há mais de um ano e vem resultando em ricos desdobramentos e fortalecimento de ações conjuntas, com planejamento anual, contemplando ações educativas que orientam e alertam as famílias sobre a violência, a denúncia e a quebra de tabus.


"Nós precisamos ser esse agente que vai olhar para a família de forma mais amorosa. Estamos fazendo isso a partir da informação e com ajuda da ACOPAMEC que já realiza esse trabalho belíssimo com a sua comunidade. Essa formação é um exemplo disso quando temos toda uma equipe envolvida que se fortalece para fortalecer e integrar pessoas, famílias e todos que cada educador e pessoa aqui presente precisa no dia a dia acolher", finalizou Denise.



ACOPAMEC - Formação de colaboradores faz menção ao 18 de Maio
“A Cáritas assim como a Acopamec dialoga com a vida e por isso é preciso falar sobre essa temática, informar pessoas, incentivar as denúncias e quebrar tabus”, afirmou Denise



As atividades do dia foram encerradas às 17h e contou com dinâmica de grupo, apresentação teatral junto as meninas acolhidas nas Casa-lares, sorteio de brindes e homenagem aos aniversariantes do mês.